Na mitologia grega, Quíron foi um centauro inteligente, civilizado e bondoso. Enquanto os demais eram centauros notórios bebedores e e indisciplinados, Quiron foi criado por Apolo, que o ensinou a apreciar a música, a poesia, a ética e terapias curativas. Não por acaso esse foi o nome escolhido para a startup curitibana criada pelo empreendedor social Fernando Granato. "O nosso core business é resolver problemas", apresenta.

Focada em desenvolver talentos e habilidades de jovens que ainda não entraram na faculdade, a Quiron Educação se baseia em quatro pilares para despertar nessa galera o seu propósito. "Ensinamos aos jovens a Empreender, Inovar, Ser e Pensar no Social. A ideia é que cada um trilhe esse caminho para criar e desenvolver ideias que tragam impacto social", completa Granato.

Em Maringá pela primeira vez para ser mentor no Startup Weekend, maior evento de empreendedorismo do mundo que será realizado na cidade dos dias 10 a 12 de julho, Granato esteve no Espaço Office para conhecer o coworking. "Trabalhar em um ambiente compartilhado é fundamental para criar e validar ideias. Lá [em Curitiba] nós temos uma casa onde estão pelo menos sete startups juntas. A quantidade de projetos que sai de lá é fantástica", acrescenta.

Em três anos de trabalho, a startup já coleciona cases de sucesso como o de três adolescentes, de 15 anos, que criaram um aplicativo para encontrar crianças perdidas, e o caso de um menino de 14 anos que decidiu ser escritor e já está se preparando para lançar o primeiro livro. "O primeiro passo é ajudá-los a identificar seu propósito, seja particular ou coletivo. Depois nós incentivamos e auxiliamos na execução". 

Levando o empreendedorismo social não só como profissão, mas como objetivo de vida, Granato adianta que pretende oferecer para os participantes do Startup Weekend Maringá todo o suporte para que de lá saiam grandes ideias e soluções a serem aplicadas. "Toda startup pode trazer uma solução imediata, só basta incentivá-las".

Comment